segunda-feira, 23 de julho de 2007

Não me deixe triste

Don't Let Me Down, Beatles, é o que escuto agora sem saber se peço a mim ou a alguém que não está aqui.
Acontece que estou só. Cabe a mim administrar minha tristeza.
A pensar em ti e na distância que nos separa, sinto uma vontade ainda maior de estar contigo esta noite, para saciarmos nossos corpos.
Porém estou sem ti.
Olho para os dvds que aqui estão, para o livro que há dias permanece no mesmo lugar. Não tenho vontade deles.
Recorro a um baseado e a cervejas para amenizar o que sinto. Talvez preferisse algo mais forte. Me distraio. O tempo passa.
Tenho vontade da tua pele tocando a minha pele, dos teus lábios nos meus lábios, explorando meu corpo, do teu corpo fervilhando no meu de desejo, um só corpo.
Danço uma dança sensual e triste.
Triste. Quem motiva meu corpo em movimento não está aqui.
Sensual. Sinto-me bem ao ver meu corpo nu retorcendo-se de prazer. Êxtase estabelecido por mim.
Só por mim.
Pensando em ti.
A tristeza diminui neste momento. Tu me fizeste bem.
Talvez eu te prefira aqui. Não tenho certeza. Tu não estás aqui. Não tenho tuas carícias. Não tenho tua voz. Não te tenho a excitar meus sentidos.
Desapontamento. Sentimento ambíguo. Um quê de força.
Não me deixe triste. Fique onde está. Não fique triste. Nosso amor durará para sempre.
Tu ficarás em minha lembrança.
Não aqui.
Tenho algo que muitos não tem e o querem. E isto, também fonte de enorme prazer.
Tenho liberdade!
Tenho a certeza de que sou responsável pelas decisões que tomar. Só eu. Pelo rumo que minha vida terá. Eu sou!
Procuro agir de forma a não deixar-me triste. Não pensar-me triste. Confio em minhas decisões. Confio em meu prazer. Confio em mim.
Tu me fizeste bem.
Eu me faço bem!

Um comentário:

Anônimo disse...

Corajoso, bonito e FORTE o texto, combina com a autora!