terça-feira, 9 de novembro de 2010

Escusa

Por que me acusas se te quero tanto?
Não é suficiente o prazer que se sente
Que converte em alegria a melancolia
Que traz a paz, a harmonia?

Por que vês maldade onde há encanto?
Não foi convincente a poesia que se lia
Que traduz em palavras o sentimento
Que traz amor, contentamento?

Por que queres ao invés do riso o pranto?
Não fora contundente almas em conexão
Que transforma em um o que era dois
Que traz a esperança no depois?

Quero-te como quer água o sedento
Como quer alimento o faminto
Como quer terra a planta

Quero-te com confiança
Sem inseguranças
Não te escusas!

2 comentários:

Giuliano disse...

Vixe, coisa linda. Parabéns pelo belo poema. Pq temos que complicar as coisas às vezes? mas por outro lado pode ser essa a dinâmica da vida que instiga nossos quereres...

Carla Soares disse...

Ai, que lindo!!! Teu blog tá demais, amiga. Teus textos estão amadurecendo de uma forma suave, com simplicidade e com riqueza literária os mesmo tempo. Parabéns!

Este "Escusa", então, mostra de uma maneira tão especial teus sentimentos... é isso que mais vale na hora de escrever. AMEI!