sábado, 26 de junho de 2010

Disparate

Incrível é como, em um segundo, o q era dxa d ser.
O representante passa a atacar o representado.
O trabalhista esquece do que foi trabalhado.
O aspirante é completamente aspirado.
O equilibrista torna-se desequilibrado.

Exemplo disso é o q o PT está fazendo em Sapucaia do Sul, deixando de acertar a situação financeira de seus empregados, como sempre ocorreu no mês de maio, como é nosso direito. É uma situação nunca antes vista. Nunca um partido se negou a pagar o dissídio a seus trabalhadores.
Veja bem! Não é aumento é reajuste salarial!
Veja mais! Falo aqui de trabalhadores concursados!
Veja ainda! Profissionais das áreas de educação e saúde!
Mas, para os cargos de comissão (CC) tem dinheiro sobrando!

O prefeito Vilmar Ballin, q antes, como vereador, criticava a CCzada por ser um grande número de cargos desnecessários que, aproveitando a situação, mamavam na teta dos cofres públicos, hj tem um quadro significativo desses profissionais. Nosso atual prefeito também criticava os 10% oferecidos pelo PMDB, partido ao qual fazia oposição, dizendo q era esmola. Mas, no ano passado nos ofereceu 5% e hj some ao ter q receber os diretores dos sindicatos para negociação. E isso tendo eles hora marcada!
Não estou fazendo aqui propaganda partidária ou querendo passar a impressão de que um partido é melhor q o outro. Sapucaia do Sul é um município muito aquém no quesito democracia. Enquanto a população for desinformada e desinteressada, o governo continuará fazendo o q bem entender a partir do momento em q obtém o poder.
A questão é q do Partido dos Trabalhadores, do partido q tanto incentiva a luta de classes, a igualdade social, realmente não se esperava isso!
Para esclarecer um pouco mais minha surpresa gostaria de expor mais alguns fatos. Primeiro, foi oferecida à classe trabalhadora a proposta de escolha entre um reajuste de 2% mais vale-refeição de R$75,00 mensais (vale-fome) ou 5% sem vale-refeição. Essa foi a estratégia encontrada para dividir os sindicatos, que, para terem mais força, uniram-se na causa, visto que aqueles trabalhadores com um salário mais baixo, no qual os 3%, q difere as propostas, seria inferior aos R$75,00 do vale, optariam por ele e os trabalhadores com uma renda mensal menos baixa optariam por não receber o vale. Então fizemos uma assembléia geral e resolvemos apresentar uma contra-proposta q seria apresentada na sexta-feira (25/06) às 16h, como estava agendado, para negociação. Os diretores do sindicato tomaram um legítimo chá de banco e ficaram a ver navios.
Como se não fosse suficiente, na sexta-feira em questão, pela manhã, a guarda municipal foi enviada a uma de nossas escolas para recolher cartazes q estavam sendo expostos pelos professores descontentes com a situação da educação em nosso município, com o rumo q as coisas tinham tomado. Agora pasmem! Sabe o q estava escrito nos cartazes? Palavras de Paulo Freire! Se Paulo Freire não pode ser trazido para dentro das escolas, não sei mais o q poderia!
O q é isso!? A censura está voltando?
A ditadura? Pelas mãos do PT!?
Q ironia!

Galeano afirma no livro De Pernas Pro Ar: A Escola do Mundo ao Avesso:
"A regra tem poucas exceções: na planície, os políticos prometem mudanças, no governo mudam... de opinião. (...) Primeiro a educação e a saúde!, eles clamam, como clama o capitão do navio: Primeiro as mulheres e as crianças!, e a educação e a saúde são as primeiras q se afogam."

Esse é o mundo disparatado em que vivemos!

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Paralelos

Sirvo a taça de vinho. Estou só. Embora em companhia.
Entre tantos, não sou mais que uma presença fugidia.

Acostumada a defender-me da própria armadilha
Analiso cada escolha com cautela e ousadia.

De repente: percepções, olhares, e-mails afins.
Como poderia alguém despertar-me assim?

Como entender o encanto? Um livro? Um canto?
Como saber a harmonia? Distância? Nostalgia?

Muitos questionamentos, poucas certezas.
Diversos prazeres. Dois corpos: um corpo.

E (olhando a garrafa vazia)
como chega a noite
vem também o dia.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Sobreposição

Às vezes criamos sobreposições.
Para formarmos um look moderno, sobrepusemos uma blusa a outra mais básica ou menos estilosa. Ou a sobpusemos. Trocamos. Misturamos. Criamos vários looks com poucas peças.
De forma parecida, fazemos sobreposições com nossos valores. Sabemos valorizar diferentes aspectos da vida. Uns mais. Outros menos. Colocamos uns acima de outros e invertemos suas posições de acordo com nossas experiências, com nosso momento.
Por exemplo, um sujeito pode estar estritamente preocupado com sua vida profissional enquanto outro prima pelo bem-estar de sua vida conjugal, ainda um pode ter por objetivo a compra de determinado bem ao mesmo tempo em que outro planeja incessantemente um filho.
Pode se ter todos estes objetivos ao mesmo tempo, conciliando-os, articulando para que um não se sobreponha a outro? Feliz daquele que o consegue. Mas há quem o diga impossível. Um sempre se sobrepõe a outro.
A questão é: o que realmente importa? Em que baseamos nossas escolhas?
A sociedade tem virado seu olhar para a moda, a economia, a ciência.
E as questõs pessoais? E a moral, a ética, a educação?
Em um mundo onde muitas pessoas desistem de tentar e enquadram-se ao sistema, mais por desilusão que por satisfação, escolha bem as roupas que você irá usar. De seu look depende as coleções futuras.
Você não precisa abrir mão e ser um homeless que, inclusive, está em voga (homeless chic está na moda). Você não precisa ser hippie, nem chique.
Mas, saiba fazer suas sobreposições.

Churras do Chapéu


Combinação visual
Menu tradicional
Companhia ideal

Experiência teatral
Foto profissional
Atração musical

Pessoal alto-astral
Bate-papo casual
Alegria geral

Obrigada, colegas,
por esse momento
e pelos próximos.